January 13th, 2011

Porque sou contra o tombamento do Belas Artes.

Um fenômeno que surpreende qualquer estrangeiro nos EUA é a capacidade de organização da sociedade em relação a suas causas. Para ajudar uma vítima de um crime ou alguém que precise de uma cirurgia, é comum se ver gente com placas em uma esquina, lavando carros para ganhar uns trocos para o projeto. Aqui no Brasil, só sabemos nos mobilizar para pedir dinheiro ao governo.

Enquanto o povo morre nas filas dos hospitais e metade do país não tem esgoto, vamos pagar pelo hobby de meia-dúzia de pessoas. Esse pessoal, que é educado e não está morrendo de fome, nunca se organizou para criar promoções para encher o cinema. Nunca criou um site, um grupo no Orkut, nunca distribuiu folhetos na rua, nunca fez nada para garantir que o cinema desse lucro. Mas agora quer que o governo pague por sua preguiça e falta de criatividade. Nem ao menos pensam na possibilidade de replicar o conceito de cinema de arte (altamente discutível, já que hoje de arte o cinema pouco tem e no Belas Artes passa muita porcaria) em outro lugar.

Esse tipo de situação não é exclusividade da classe média descolada. Eu me lembro de uma reportagem onde, aos gritos, os pais de alunos de uma escola da periferia xingavam o prefeito porque a caixa d’água estava vazando havia um ano. Vejam bem: quantos daqueles pais não seriam pedreiros? Ao menos uma dúzia. Porque nunca ao menos tentaram arrumar a droga da caixa d’água uma vez que fosse?

Pedir por ajuda do governo não é mobilização, é pedir esmola. Não e cidadania. É preguiça e atraso, é ir contra tudo de novo, criativo e interessante que está ocorrendo no mundo. Precisamos mudar.

Artigos . Blog . Cultura