December 16th, 2009

O Resgate do Tempo Perdido

dali-clock-500x500

Por Gutemberg B. de Macêdo

 

Mantenha o tempo em alta estima e seja cada dia mais cuidadoso para não perder nada do seu tempo, mais até do que para não perder nada do seu ouro e prata. E, se a recreação vã, roupas, festas, conversas ociosas, companhias sem proveito, ou sono forem, qualquer deles uma tentação para roubá-lo do seu tempo, redobre a vigilância”.

 

Richard Baxter, 1615-1691

Líder puritano inglês, sacerdote e escritor

 

O desperdício do tempo é uma realidade incontestável em nossos dias e o principal pecado dos profissionais em nossas organizações.

A materialização desse desperdício se manifesta em várias de suas ações:

  • Reuniões prolongadas, desnecessárias e de duvidosa eficácia;
  • Telefonemas recebidos e feitos sem nenhum objetivo superior aparente;
  • Paradas constantes para uma visita a sala de café ou fumódromo;
  • Viagens longas e desnecessárias com o simples objetivo de fugir do centro do poder, das pressões impostas por superiores mal humorados e da rotina massacrante do dia-a-dia;
  • Interrupções constantes de superiores, pares e subordinados sem motivos mais relevantes;
  • Horas excessivas gastas diante de um computador sob as mais estapafúrdias desculpas – excesso de e-mails por exemplo;
  • Procrastinações constantes sobre assuntos de extrema importância que demandam uma tomada de decisão rápida, corajosa e decisiva, mas que se arrastam por dias, semanas e meses sem nenhuma solução;
  • “Fake Work” – preparação de relatórios, projetos, propostas ou mesmo apresentações que muitas vezes o seu destino é o cesto de lixo, apesar dos esforços empreendidos nos finais de semana e noturnamente;
  • Permanecer durante horas, todos os dias, diante de uma tela de televisão que atrofia seu cérebro e o emburrece;  
  • E, entre tantos outros ladrões do tempo, há um que poucas vezes é contabilizado de maneira eficaz – as longas e exaustivas horas perdidas no pesado trânsito das grandes cidades.

Neste artigo, tratarei sobre esse último ladrão, uma vez que ele é muitas vezes o responsável direto e invisível do estresse, do cansaço físico, do desgaste psicológico e mental, do mau humor, da agressividade e, sobretudo, da perda irrecuperável do tempo em uma de suas formas mais perversas. Nas palavras de Teofrasto (372-287 a.C.), filósofo grego e sucessor de Aristóteles na escola peripatética, “O tempo é gasto a um preço altíssimo”.  

Paul Stiles, em sua excelente obra, “Is The American Dream Killing You – How The Market Rules Our Lives”, 2005, constatou que “se você gasta todos os dias uma hora para ir ao trabalho e outra para voltar, e trabalha 48 semanas por ano durante 30 anos, você terá gasto 14.400 horas dentro do carro no mento em que se aposentar. Já que você está acordado apenas 16 horas por dia, isso significa 900 dias em seu carro”. Isso significa dizer: você desperdiçou cerca de 2.6 anos de sua vida. Esse é um período nada desprezível.

Se o tempo é de todas as coisas a mais preciosa, como observou Benjamin Franklin (1748-1751), escritor, empresário, cientista e estadista norte-americano, “desperdiçá-lo é a maior prodigalidade”. O tempo não se compra, não se vende, não se armazena, não se multiplica e não se divide, todos sabem. Portanto, ou o utilizamos bem ou o desperdiçamos totalmente. Daí a observação de Charles Darwin, “Um homem que ousa desperdiçar uma hora do tempo não descobriu o valor da vida”. “Amas a vida” indagou Benjamim Franklin, “então não desperdice o tempo porque é dele que a vida é feita”. 

Dois anos e seis meses (2,6) é um período nada desprezível, pois durante esse tempo você poderia fazer um mestrado ou uma especialização sobre assunto de seu interesse; empreender cinco sabáticos com duração de seis meses cada ao longo desse período; constituir uma família com dois filhos; construir uma casa, comprar um imóvel na planta ou construir uma pousada; permanecer mais tempo com a esposa e filhos – 14.400 horas adicionais; constituir negócio próprio e fazê-lo decolar; aprender novo idioma ou pilotar um avião; tornar-se um ornitólogo ou um astrônomo amador; dedicar duas horas por dia, durante dois anos e meio, a uma instituição filantrópica; aprender a tocar um instrumento musical; pesquisar e escrever um livro, entre inúmeras outros empreendimentos.

 

À luz dessas observações, sugerimos:

  • Pare de pensar sobre administração do tempo. Você jamais será capaz de gerenciá-lo. Ele segue o seu curso independentemente de você. Mas você administrar o que você faz, por que faz, como faz e quando faz. Portanto, foque na gestão inteligente de suas atividades pessoais, familiares e profissionais. Esse seu novo posicionamento fará uma tremenda diferença em sua vida.
  • Consulte o mapa de sua cidade e descubra qual é o melhor caminho entre a sua residência e o seu trabalho – o mais curto, o mais rápido e também o menos congestionado. Hoje, você conta com o auxilio da tecnologia – GPS – e da comunicação, emissoras de rádio que lhe posicionam sobre o trânsito. Portanto, antes de sair de casa, escute essas emissoras.
  • Evite sair de casa ou do trabalho naquelas horas com maiores congestionamentos no trânsito. É preferível ficar em casa ou no próprio local de trabalho, a se desgastar. Aproveite esse tempo para fazer algo que agregue valor a sua vida pessoal, familiar ou carreira.
  • Adquira CD’s com conteúdo comprovado e que adicione novos conhecimentos e saberes a sua vida pessoal – cursos, conferências, discursos etc – e escute-os com paciência. Discuta sobre os assuntos ouvidos com seus colegas de trabalho e com a sua família. Essa é uma maneira riquíssima de aprendizado.
  • Mantenha em seu automóvel, um aparelho “amazon kindle” e aproveite os prolongados congestionamentos para colocar em dia a sua leitura. Eu adquiri um desses aparelhos há dois anos aproximadamente nos EUA e posso lhe garantir que foi um dos melhores investimentos que já fiz. Os livros podem ser adquiridos da www.amazon.com por preços extremamente vantajosos, além de você ter acesso a um número espetacular de livros.
  • Mantenha em seu automóvel uma coleção de CD’s de conteúdo inspiracional e motivacional, a fim de ouví-los naqueles dias em que você não se sente tão bem, não importa o motivo. Esses dias existem e eles, muitas vezes, nos deixam tristes e deprimidos. Portanto, seja pró-ativo e comece o dia com o seu ânimo revigorado, a sua mente fortalecida e o seu espírito rejuvenecido. Há um cântico do hinário espiritualista de Ron Hamilton que gosto muito de ouvir: “Deus nunca age sem propósito ou plano. Agradeça ao Senhor mesmo que a provação pareça longa; Na escuridão Ele dá uma canção. Ele nunca erra. Ele sabe o fim de cada caminho que eu trilhar. Porque quando sou provado, ao final serei refinado como ouro”. 
  • Aproveite as vantagens que a tecnologia traz. Hoje é possível se acessar milhares de podcasts, que são programas de entretenimento ou educacionais disponíveis na internet. Estes programas podem ser facilmente gravados no computador e transferidos para um CD ou tocador de arquivos MP3 (como o iPhone ou iPod), para serem apreciados no carro à hora em que se desejar. Já é possível se ouvir cursos completos de universidades renomadas como Stanford ou o MIT, em seu próprio iPod. Outra alternativa interessante são os audiobooks, livros dos mais diversos assuntos narrados por profissionais e vendidos na internet. Todos os grandes best-sellers podem ser encontrados no website www.audible.com ou no iTunes. Já estão disponíveis dezenas de milhares de títulos em inglês e, felizmente, títulos em português começam a aparecer na internet brasileira. 

Prezado leitor, o uso inteligente e parcimonioso do tempo é de vital importância para sua vida pessoal, familiar e carreira profissional. Cada segundo de sua vida é algo precioso, enquanto você possui o seu corpo físico. Portanto, mais uma vez, “NÃO O DESPERDICE”.

William Blake (1757-1827), poeta e pintor inglês, escreveu: “Se agarrares o momento antes que ele esteja maduro, as lágrimas do arrependimento tu decerto colherás; mas, se o momento certo alguma vez deixares escapar, as lágrimas do pesar tu jamais apagarás”.

Blog . Carreira . Colunistas